28.11.08

Não se brinca com a comida - V (e último desta série)

video

Depois da onda criminalidade que assolou o nosso país no Verão passado, uma nova escalada de violência faz-se sentir. O roubo por esticão parece ser a prática mais recorrente.

A polícia afirma não haver um perfil-tipo de vítima, pelo que todos, ou melhor, TUDO está sujeito a sofrer uma tentativa de furto a qualquer hora do dia e em qualquer lugar.


Vejamos imagens exclusivas de uma situação ocorrida ontem, captadas pelas câmaras de videovigilância de um hotel.

video


Em directo para a a nossa equipa de reportagem, a vítima revela:

“Já não se está seguro em lado nenhum! Fui comprar um chapéu – estou com um péssimo corte de cabelo – e tinha acabado de sair da loja quando de repente – ZÁS! - surge este indivíduo sabe-se lá de onde e leva-me o chapéu.

Nem tive tempo para nada.




Agora não sei… se o meliante gosta do chapéu, não sei… se terá cortado o cabelo no mesmo sítio que eu… Mas é de apresentar queixa. Aselhas daquele calibre não deviam andar por aí com tesouras. É perigoso.”

27.11.08

Não se brinca com a comida - IV

Dos gelados.
Dia frio? E então?
Quem gosta, gosta sempre.

26.11.08

Não se brinca com a comida - III

Receita para dieta saudável e equilibrada: peça de fruta a meio da manhã.

Apesar do ar sofrido, tem um corpinho Danone.

25.11.08

Não se brinca com a comida - II

Das pizzas O Calzone do Bem e o seu eterno arqui-inimigo, a Tropical do Mal.

Crianças, pelo sim pelo não, optem por refeições mais saudáveis.

24.11.08

Não se brinca com a comida - I

Não era o que nos diziam em pequenos? Não se brinca com a comida.

Mas porque não, raios?! A comida ofende-se? Estou à mesa e começo a brincar com a salada: qual é a probabilidade de um tomate se chatear e começar a apodrecer de propósito, ali mesmo, no prato, só porque não achou piada? Não, para mim não fazia sentido, por isso sempre resisti a essa regra.

Acreditem, há comida com mais sentido de humor do que muita gente adulta. A comida gosta que brinquem com ela, quer atenção.



Assim, começa hoje aqui um ciclo especial a que eu gosto de chamar “Brincadeiras de mesa” e que prova que há mais numa refeição do que apenas comer, beber e falar.

Para quem nunca esteve comigo à mesa, é mais ou menos assim:

P.S.: Claro que depois não tenho coragem de comer a minha própria criação. Isso seria perverso. Como outra coisa rapidamente antes que o resto da mesa chegue ao café.

19.11.08

José Miguel diz:

- AQUÁRIO –

Carta do dia: O Ás de Ouros. Isto significa que o trunfo é Ouros. E todos sabemos como ter um trunfo faz toda a diferença. Lembre-se: na Bisca, tal como na vida, até um simples Dois de Ouros pode valer mais do que um Rei de Paus.
[Tenho de me sentar um bocadinho, não me estou a sentir lá muito bem. Construí sozinho um raciocínio que quase fazia sentido.]

Dica mística: Com a Lua a transitar em julgado e o Planeta Regente a sair absolvido do caso de Felgueiras, esta é a altura para perder a vergonha e pensar em grande. Está provado que nem com toda a sua capacidade de meter água, o Aquário pode vir a ser responsabilizado pelas suas acções. Por isso, ouse. Há muita oportunidade boa por aí à espera que tome iniciativa: autarquias, entidades bancárias, gasolineiras ou casas de repouso. Arrisque. ABUSE! Os astros protegem-no. E a justiça portuguesa dá uma ajuda.

No amor, tendência para conflitos. Dialogue mais com a sua cara-metade. Se não estiver numa relação, dialogue mais consigo mesmo. Tenha apenas o cuidado de disfarçar se o fizer enquanto for na rua: por exemplo, prenda uma mola à orelha. Ao longe as pessoas vão pensar que é um bluetooth.

Para finalizar, evite contar dinheiro no meio da via pública e desconfie da frescura do peixe em terriolas fronteiriças. Excepto no Algarve, aí desconfie de toda a ementa.
Cor da sorte: Transparente.

Número da sorte: 760 22 10 22 (É a minha linha de ajuda telefónica. Se ligar, sorte a minha.)

18.11.08

Saber esperar

Não têm aqueles momentos especiais pelos quais esperam ansiosamente o ano inteiro?

Este é um deles.
O pudim de castanhas!

Novembro, época da castanha (sim, também se vende congelada, mas isso retira a mística da espera).

O famigerado pudim de castanhas - atentem bem no aspecto - é uma das sobremesas mais divinais que já tive oportunidade de deglutir e é já um histórico na minha família. De facto é tão bom que seria um crime não o compartilhar convosco.

Não, não tenho uma fatia pronta para download, lamento, mas posso dar-vos a receita que se faz lá em casa. Tomem nota, porque este vale meeeesmo a pena.

[Pela primeira vez, uma receita neste blog. Para terem uma ideia…]


Ingredientes

800 g de castanhas
1 pacote de gelatina de ananás
1 lata de leite condensado
3 ovos
350 g de Açúcar
Rum

Preparação

Coza as castanhas. Prepare a gelatina normalmente e junte quatro colheres de sopa de rum. Misture o açúcar com o leite condensado e as gemas de ovos num recipiente fundo e leve ao lume, brando, enquanto vai mexendo lentamente até obter uma calda. A seguir, deixe arrefecer e deite-a no preparado da gelatina. À parte, bata as claras em castelo e adicione tudo ao preparado da gelatina. Por fim, moa as castanhas cozidas, junte-as ao preparado e envolva devagar e sempre no mesmo sentido.
Quando estiver com aspecto apetitoso, leve ao frigorífico numa forma ou taça de vidro transparente. Mínimo 6 horas.

Sugestões

Adicione uma cobertura de chocolate negro (Belleville, de preferência). É só derreter a tablete e juntar um pouco de leite condensado e canela.


Et voilá, bon apetit!


P.S.: Depois digam-me como correu. Mas digam mesmo!

14.11.08

Saúde, sorte e dinheiro

Um amigo teve um momento revivalista e enviou-me um daqueles questionários que vive de mail em mail e cuja corrente não deve ser quebrada sob ameaça de nos cair qualquer parte do corpo, de entrarmos em combustão espontânea e de ficarmos pobres e estúpidos (por esta mesma ordem) caso não o reenviemos a mais vinte pessoas a seguir.


Ainda sem saber muito bem porquê, resolvi aceitar o desafio e - pasme-se! - até o levei mais ou menos a sério. Eis o resultado:

"colocar uma foto individual nossa, escolher uma banda/artista de eleição; responder às perguntas com títulos de canções da banda/artista escolhido; e desafiar 4 bloguistas para passarem a outro e não ao mesmo. "

Escolhi obviamente os Radiohead, e não, não saquei esta foto do Google.

1) És homem ou mulher? Kid A

2) Descreve-te: Optimistic

3) O que as pessoas acham de ti? Creep

4) Como descreves o teu último relacionamento: Fitter Happier

5) Descreve o estado actual da tua relação: In limbo

6) Onde querias estar agora? Hunting bears

7) O que pensas a respeito do amor? A wolf at the door

8) Como é a tua vida? 2+2=5

9) O que pedirias se pudesses ter só um desejo? Bullet proof… i wish i was

10) Escreve uma frase sábia: Go slowly


Agora passo a bola a ti, a ti, a ti e a ti. Desculpem, mas não posso ser só eu a levar com isto. E afinal não custa assim tanto. É parvo, eu sei, mas antes isto do que ficar pobre e estúpido.

13.11.08

Estado Crítico


Disse-me ele: "O concerto já foi há dois dias e ainda tenho o obturador aos saltos. Foi lindo, pá!"
.
"Só foi pena não terem tocado aquela... do... ehh... ai pá, como se chama... uma que a música é assim:"

Discover Sigur Rós!

12.11.08

Negócio de outro mundo

O Universo enviou-me uma mensagem. Hoje ao pequeno-almoço, deparei-me com isto:

Um floco de cereais em forma de Chipre. Reparem.


(Sim, sim, falta aquela pontinha estreita. Não sejam picuinhas. Vamos imaginar que era o Chipre há milhões de anos, ainda sem essa parte, ok?)


Não estou surpreendido, o Universo já me tinha escolhido para ver caras. Eu sou a Joana Solnado 2.0. Agora a questão é a seguinte:

Eu não sei o que significa!

O que é que me estão a tentar dizer? Vai para o Chipre? Tu és o Chipre?

Confesso que desta vez estou um pouco desorientado, por isso resolvi ser mais pragmático e, como dizer… judeu? Sim, quero fazer dinheiro com isto. Se a malta do E-bay pode, eu também posso.


BASE DE LICITAÇÃO – €25



Não está caro, meus amigos. Não se pensarmos que não é um floco vulgar. É um floco com uma mensagem. Poderá ser um floco-messias. Poderá conter o segredo para a paz no mundo, para a preservação do planeta, para a cura de todas as doenças ou só para a aerofagia. No mínimo, tenho a certeza de que este floco sozinho é capaz de fazer um excelente arroz de tomate. De todos os flocos naquela saqueta familiar, de todas a embalagens espalhadas pelo mundo, este era o único com o formato do Chipre. Curioso...


- Altura em que ficam todos a pensar... "Ahh, ele é capaz de ter razão." -


Como se não bastasse, o mesmo floco,

rodando…

temos o baço (esse misterioso órgão humano, que quase ninguém sabe onde fica nem para que serve).


1 Chipre, 1 baço, tantas leituras. É uma pechincha.

.
.
.
P.S.: E assim se faz disparar as buscas por “baço” na Wikipedia.
.
P.P.S.: E para “aerofagia” também.

10.11.08

O suspeito do costume

Terminou ontem mais uma edição do Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora. O que é bom acaba depressa, quem não apanhou... azarucho. Para o ano há mais.

Conforme prometido, aqui fica uma magnífica (!) obra que terá passado ao lado da compreensão do júri. Aliás, existe mesmo toda uma tradição de prémios mal atribuídos, apenas comparável ao Festival da Eurovisão, onde Portugal nunca toca na chicha. Sou suspeito para falar? Pois claro! Mas se há democracia, todos têm direito a falar, incluindo os suspeitos.

O tema nesse ano era "Um olhar sobre o resto do mundo". Este foi o nosso.

(Eu tentei, mas o blogger não facilita. Se der, cilquem nas imagens para ampliar)

É que nem sequer uma menção honrosa - que, como é do conhecimento público significa "sabemos-que-és-muito-à-frente-talvez-até-demasiado-para-nós-e-por-isso-não-tivemos-coragem-para-te-dar-o-prémio-contudo-não-desistas-rapaz".



Já passou, Porcos, já passou… Respira fundo.

Enfim, autoria de moi même e desse grande talento marginal, Eduardo Rebelo. [Eu sei que estás a ler isto e sei que vês caras, mesmo que digas que não.]

5.11.08

A A

Jorge - Olá, o meu nome é Jorge.

Turma em coro - OLÁÁÁ JOOORGE!

J - …Mas podem chamar-me Dora, como os meus amigos. Estou aqui porque tenho um problema e preciso de ajuda. Admito-o.

Terapeuta - És muito corajoso, Jorge… Dora.

J - Obrigado. Não quero continuar a viver sufocado pelo vício. Todos os dias, logo de manhã é uma garrafa. Ao almoço, outra. Às vezes, até a meio da tarde…

T - Mas o pior é de noite, não é?

J - (choro compulsivo)

T - Não te preocupes, amigo/a. Com a nossa ajuda, não voltarás a tocar numa gota de álcool. Vieste ao sítio certo.

J - Mas eu nunca toquei em álcool.

T - Vá, então… não precisas disso agora, já fizeste o mais difícil. E aqui estamos todos no mesmo barco.

J - Não estão a perceber. O meu problema não é o álcool, Deus me livre. São as garrafas, não consigo deixar de abri-las. Vejo um gargalo e não me seguro, não sei se é da cortiça…


T - Não é o álcool?

J - Não, eu nem sequer bebo. Cheirar, cheiro; mas beber, não.

T - Hum… nesse caso enganaste-te na sala. O que tu queres é o grupo de apoio ao complexo de saca-rolhas. Fundo do corredor, última porta à esquerda.

J - Ah ok, obrigado.

T - De nada. Rápidas melhoras, Jorge… Dora.

4.11.08

Do you speak pineapple?

Anúncio idiotazinho... Tinha de postar.

1.11.08

2 anos de blog!

Merece uma festa. Vamos lá, estão todos convidados.


Discover Hélio Ziskind!


Pronto, já passou. Podem voltar ao que estavam a fazer. Obrigado.

.

.

P.S.: Algumas novidades para breve... acho eu.